Aplicativos de entrega estão proibidos de funcionar em Buenos Aires

A Justiça argentina proibiu no dia 9 de abril de 2019 a utilização de aplicativos de entregas em Buenos Aires. A decisão tomada pela Argentina se aplica a empresas como Glovo e Rappi, que atuavam na região sem nenhum tipo de regulamentação específica do país para esse tipo de serviço. De acordo com as notícias divulgadas pela Justiça da Argentina, a ordem estabelece a proibição imediata.

Embora a Justiça tenha decretado a proibição do funcionamento de tais aplicativos, a ordem também informa que a proibição é temporária, o que significa que as empresas poderão voltar a oferecer o serviço de entrega por aplicativo em algum momento. De acordo com o governo de Buenos Aires, esse retorno acontecerá após a implantação de um código de trânsito que regulamente como as companhias de entrega por aplicativo poderão operar na cidade. Isso significa que enquanto não houver leis que abordam esse aspecto de forma específica os aplicativos não poderão realizar entregas na capital argentina.

De acordo com as informações divulgadas pela Justiça da Argentina, há uma série de requisitos para que os aplicativos de entregas possam atuar em Buenos Aires. Dentre os requisitos, a Justiça quer que os trabalhadores utilizem capacetes, que os veículos utilizados para a entrega sejam sinalizados de forma luminosa, que a mochila de entrega seja fixada à bicicleta ou moto e que as empresas de aplicativos ofereçam seguro para acidentes a todos os trabalhadores.

Junto a decisão tomada pelo juiz Andrés Gallardo, foi informado que o Ministério do Desenvolvimento Humano deverá apresentar em caráter emergencial um plano econômico e social com o objetivo de compensar a renda dos entregadores cadastrados nos aplicativos que tiveram de forma repentina suas rendas comprometidas.

A Justiça argentina informou que a decisão foi, na verdade, um pedido realizado pela defensoria pública do país, que contou com a procuração de vários sindicatos e de algumas empresas que atuam no país no setor de entregas. Segundo o texto publicado por Gallardo, a justiça simplesmente acatou a esse pedido, considerando os argumentos de que não há regulamentação para o funcionamento de tais serviços em Buenos Aires.

Aumente as visitas ao site sem vender sua alma

É desnecessário negar que todos os webmasters gostariam de espalhar seu conteúdo da melhor maneira, fazê-los ler para pessoas realmente interessadas no assunto e, talvez, ganhar bons links. Objetivo: aumentar as visitas ao site.

Apesar de a criação de conteúdo de qualidade ser a maneira mais frutífera e estável de aumentar os cliques, não custa nada colocar esses truques em prática para gerar tráfego com pouco esforço. E com muitos bons resultados para o Google Analytics.

A primeira solução para aumentar o tráfego do site: criar um blog interno, interceptar chaves de pesquisa informativa.

E certifique-se de que as pessoas interessadas em seu trabalho acessem suas páginas de destino. Aqueles que lhe dão a oportunidade de converter.

O blog da empresa tem a capacidade de superar a natureza estática do site: com ritmo e cadência gera conteúdo que o Google aprecia e assimila, indexando novas páginas e posicionando os posts para aumentar os cliques. Como aumentar as visitas ao seu site? Crie um plano editorial e comece a escrever conteúdo útil.

Uma das técnicas mais interessantes para aumentar as visitas ao site naturalmente e sem forçar: marketing de comentários. Ou seja, aquelas soluções que funcionam na publicação de comentários em blogs usando um link na assinatura.

Ter um blog dentro do site lhe dá a chance de trazer tráfego para isso também: se existe a possibilidade de ir mais fundo com um link para um artigo, você pode fazê-lo. A menos que sua abordagem se torne invasiva: você não precisa enviar spam, isso é importante.

A comunidade é a verdadeira fonte de visibilidade – O tráfego geralmente vem dos mecanismos de pesquisa, às vezes é a mídia social que faz a diferença para aumentar as visitas ao site. Em qualquer caso, você precisa criar um público fiel.

Seja sociável, responda sempre a todos os comentários, dê conselhos àqueles que lhe pedirem uma opinião, cultivem discussões em torno de seus posts e, acima de tudo, admitam seus erros se eles o beliscarem: os leitores odeiam balões inflados.

Ele também joga com lealdade. Se um leitor sugerir uma análise aprofundada ou tiver dúvidas sobre um tópico ou notícias, aproveite a oportunidade para escrever um post em que você se lembra de que foi ele (o leitor) que sugeriu isso a você.

Magento – o sistema de loja profissional

Magento é um software de loja on-line, com a ajuda de soluções profissionais de lojas virtuais que podem ser implementadas. O sistema de código aberto foi lançado em 2008 e adquirido pelo eBay três anos depois. Em 2015, a corporação vendeu os direitos de propriedade para a empresa privada britânica Permira. Para o desenvolvimento da mesma empresa nome Magento Inc., anteriormente Varien, responsável. Como os arquivos principais do Magento estão sob a licença Open Software License (OSL) e, portanto, estão disponíveis gratuitamente, há uma variedade de extensões e modelos gratuitos que são desenvolvidos pela comunidade e, portanto, expandem a funcionalidade do sistema de loja., Vários desenvolvedores especializados em Magento também oferecem extensões pagas.

A maioria das versões do Magento são baseadas no em notícias framework Zend e, portanto, requerem pelo menos a versão 5.5.22 da linguagem de script PHP. Além disso, o MySQL (a partir de 5.6) é necessário como banco de dados e Linux (x86-64) como sistema operacional. Para a escolha do servidor web Apache (2.2 ou 2.4), bem como nginx de 1.8 entrar em questão.

O Magento não é apenas um sistema de gerenciamento de conteúdo comum com recursos de loja, mas foi projetado do zero como uma solução de e-commerce. Isso se reflete no alcance funcional da plataforma. Embora o Magento difere de um CMS nas características básicas mal e z. B. o design modular típico, incluindo facilidade de expansão. No entanto, você descobrirá rapidamente que o foco não está no gerenciamento de qualquer conteúdo do site, mas claramente na implementação de uma loja on-line. Assim, vários recursos incluem marketing, gerenciamento de produtos e clientes ou métodos de pagamento, que precisam ser adaptados a sistemas comparáveis, ao equipamento básico. O fabricante em si não chama Magento para nada como uma solução pronta para uso em lojas on-line.

Otimização de mecanismos de busca: SEO é um tópico importante para lojas on-line, e é por isso que o Magento contém vários recursos para obter um excelente mecanismo de busca na sua loja. Por exemplo, o sistema gera automaticamente URLs e sitemaps compatíveis com o mecanismo de pesquisa (visão geral estruturada hierarquicamente de todas as páginas da sua loja), além de estatísticas sobre os termos de pesquisa mais frequentes que levaram os clientes à sua loja. Você também pode definir facilmente informações meta para todas as páginas de produtos, categorias e conteúdo.

Dicas para marketing on-line

Qual é a estratégia de marketing perfeita? Os especialistas não são unânimes: como em outras indústrias, o tema do marketing on-line ano após ano, as novas tendências da moda e antigas são atualizadas novamente. O marketing mix ideal deve ser encontrado individualmente por todos os operadores de loja online. Seja o foco no mecanismo de pesquisa ou no marketing de mídia social , ou a publicidade em banners clássicos e a rede de exibição são combinadas com grandes campanhas de marketing por e-mail : nossas dicas ajudarão você a otimizar sua estratégia no futuro.

O tráfego do motor de pesquisa é o canal mais importante para as lojas online alemãs receberem visitantes. Quando se trata de SEO , muitos fatores diferentes se juntam: implementação técnica, estrutura conceitual da página, conteúdo, perfil de link e otimização de palavras-chave. As medidas de SEO têm um efeito duradouro na visibilidade e no tráfego. A política do Google deve ser internalizada por todos os funcionários de marketing on-line. Com uma participação de mercado de mais de 90 por cento, o Google está liderando o mecanismo de busca – que viola as diretrizes, deve esperar penalidades no ranking e nas perdas de tráfego.

O shopping móvel tornou-se uma parte indispensável da vida cotidiana para muitos clientes. O comércio móvel é o principal responsável pelo forte crescimento de vendas no comércio eletrônico no ano passado. Através de dispositivos móveis, foi gerado um volume de negócios de 14,6 bilhões de euros em 2015 – o dobro de 2014. Cada quarto euro no comércio eletrônico foi assumido pelos sites móveis, em 2016, diz-se que é a cada terceiro euro. Esses números mostram claramente que uma loja on-line competitiva precisa otimizar sua página para usuários de dispositivos móveis – leia mais em nosso Guia de Comércio Móvel.

A competição de economia no e-commerce é enorme. Uma análise competitiva é o primeiro passo para posicionar-se com sucesso no mercado. Estabelece as bases para o marketing de loja online. Nesta base, deve lojas especialmente a sua USP (Unique Selling Point), de modo que o mais atraente ponto de venda, vêm à tona. Nem sempre o preço mais barato é crucial. Para se destacar dos concorrentes, o transporte particularmente rápido ou gratuito ou o excelente atendimento ao cliente podem servir como argumento.

Como o Facebook se torna um fator de sucesso para sua empresa

Que uma página no Facebook para empresas hoje em dia seja parte do programa padrão está além de qualquer dúvida. Dado o tamanho e a importância da plataforma, seria totalmente negligente não considerar a rede social nos planos de marketing da sua empresa. Não importa em que setor sua empresa esteja localizada e independentemente do grupo-alvo: Por meio da sua página corporativa do Facebook, você apresenta sua empresa e mantém uma comunicação direta com clientes potenciais e existentes. Fala-se, neste caso, da chamada venda social, Para garantir que seus esforços sejam refletidos nas taxas de sucesso, você deve planejar o local de maneira ideal e investir tempo suficiente em seu projeto e manutenção. Além disso, você também precisa ter uma noção de como alcançar melhor seus clientes em potencial – os seguidores.

Para que o Facebook se torne um fator de sucesso a longo prazo para as empresas, não é suficiente criar a página, atraí-la com sorteios e ocasionalmente postar um post arbitrário e notícias relevantes. Somente com uma estratégia bem elaborada e com o planejamento certo, você poderá aumentar constantemente o número de “curtidas” (fãs do site da sua empresa) e também convencer os clientes em potencial de sua oferta. Se você oferecer valor agregado a seus seguidores, a longo prazo você se beneficiará de uma crescente conscientização, aumentará a fidelidade do cliente e, idealmente, aumentará seu faturamento.

A página do Facebook só pode se tornar uma figura positiva da sua empresa na Internet com base em um planejamento abrangente. Dada a importância que as redes sociais, como o Facebook, têm para as empresas, você também deve considerar a contratação de uma agência de marketing on-line para cuidar de sua página da empresa no Facebook, especialmente se sua capacidade ou conhecimento não for de longo prazo. O engajamento no Facebook deve ser o suficiente. Essa agência não apenas apoia você no desenvolvimento de um conceito adequado, mas também, se desejar, no planejamento de contribuições e na manutenção geral do site da sua empresa.

Certifique-se de que o perfil reflete a filosofia da sua empresa. Uma aparição no Facebook que ofereça aos usuários uma imagem enganosa do seu negócio é um obstáculo para o sucesso e pode, por fim, fazer com que você perca clientes.

Dicas sobre como usar o Twitter para negócios de forma eficaz

O Twitter pode ser um componente integral de qualquer plano para comercializar seus negócios e notícias nas mídias sociais (outros incluem Facebook, LinkedIn e Pinterest).

Mas, ao acaso, disparar tweets não vai fazer muita coisa para promover seu negócio ou aumentar sua marca. Para usar o Twitter para negócios de maneira eficaz, siga estas dicas:

Crie uma estratégia de conteúdo. O conteúdo é fundamental para usar o Twitter para os negócios com sucesso. Mas não apenas qualquer conteúdo – é relevante, envolvente, conteúdo que o público-alvo vai encontrar valor em que você precisa estar postando regularmente. É aí que entra uma estratégia de conteúdo. Criar um plano garante que seu conteúdo satisfaça seus objetivos e as necessidades de seu público.

Primeiro, decida quais são suas metas de conteúdo. O que você quer realizar com o Twitter? Você quer:

– Atrair mais visitantes do site;

– Construir consciência de marca;

– Desenvolver uma reputação como especialista;

– Melhorar a economia;

– Aumentar as vendas.

Em seguida, defina seu público. Quem exatamente você quer que seus tweets alcancem?

Depois de fazer isso, você estará pronto para criar o tipo de conteúdo que seu público-alvo / cliente em potencial mais aprecia e que melhor atingirá sua meta.

Incorporar fotos e vídeos em seus tweets. Tweets que incluem imagens ou vídeos rotineiramente recebem mais engajamento do que tweets que são apenas texto. Portanto, use fotos relevantes quando puder, não apenas nos seus tweets, mas também nas suas respostas.

O vídeo é uma ótima maneira de destacar seus tweets; o movimento do vídeo pode prender a atenção de alguém enquanto ele está percorrendo o feed do Twitter. Recomenda-se utilizar vídeos de 30 a 45 segundos, já que os usuários do Twitter estão acostumados com atualizações curtas. Certifique-se de agarrar sua atenção rapidamente, colocando sua imagem mais atraente ou clipe na frente.

Envolver, bem como tweet. Se você tem um site com um feed RSS, é fácil configurar o Twitter para que ele leia e envie o feed automaticamente – o que é ótimo. Mas não deixe isso. Twitter é um refrigerador de água virtual, lembre-se, não um quadro de avisos. Você precisa estar lá para participar da conversa.

CVC viu empresa do ramo falir com dívidas, mas progrediu implacável

No momento em que a CVC iniciou as suas atividades, as perspectivas para os negócios eram atrativas, mas as comparações com a concorrente Soletur assombrava a empresa, pois a grande a rival do ramo turístico havia falido cheia de dívidas no ano de 2001. Hoje o empresário fundador da CVC tem uma  história de sucesso para ser contada, pois iniciou a maior operadora de turismo da América Latina e que possui boas perspectivas. Nos cinco anos que se passaram, a companhia comprou nove empresas, sendo duas argentinas, o Grupo Bibam e a Ola Turismo.

Fundada em 1979 com mais de 400 colaboradores o Bibam é composto pela Avantrip e pela Biblos, e conta com uma plataforma on-line que possui um volume de transações que está entre os maiores e-commerces da Argentina. Juntamente com a Ola, são US$ 500 milhões por ano em reservas sendo o segundo maior player da Argentina, comprar as empresas custou um investimento à CVC Corp. de US$ 20 milhões. O mercado de luxo também foi um motivo para a compra da Bibam, que está presente nesse mercado. Os planos envolvem adquirir o conhecimento da empresa para atuar no ramo de turismo de luxo.

Luis Fernando Fogaça, presidente da CVC Corp. assumiu o cargo neste ano, o seu início na companhia foi há nove anos. Durante sua carreira, Fogaça foi um dos responsáveis pela abertura de capital da empresa no ano de 2013 na bolsa de valores, e também nas estratégias para a compra de setores diferentes na área do turismo.

O interesse pela aquisição das empresas argentinas vem da posição de destaque no mercado, sendo o segundo maior na América do Sul. Ainda que o momento do país não seja dos melhores, os viajantes que mais visitam o Caribe saem de lá. Unindo forças a CVC Corp. pretende se tornar importante em muitos destinos.

De acordo com José Ernesto Marino, fundador e presidente da BSH International, que atua gerenciando investimentos em imobiliário turístico e hospitalidade, a CVC confia na expansão de suas operações, no entanto, a Ambev tentou o mesmo sem o sucesso esperado. Para o analista de consumo Fernando Lopes, da Apex Capital, o investimento está dentro de uma lógica para ganhar mais espaço no mercado.